sexta-feira, 13 de outubro de 2017

trazia buracos no corpo









saiu para a rua como quem procura um conforto, um desvio de pensamento. o nevoeiro que pousava sobre a marginal trazia-lhe a monotonia da calma enquanto o carro percorria lentamente todo o trajecto que a conduzia, outra vez, até casa.
trazia palavras coladas na pele, mas também trazia a falta delas e o frio entrava por todos os lados.








terça-feira, 10 de outubro de 2017

sobre fazer amor










sem nos apercebermos deixamos de rir juntos e deixamos de fazer amor que é precisamente a mesma forma de mostrar que um se prolonga no outro










sábado, 7 de outubro de 2017

final












então a forma que encontrou de manifestar o seu amor, foi levá-la, pela mão, ao encontro dele.










segunda-feira, 2 de outubro de 2017

tudo o que era ele não eram senão palavras






“Não havíamos marcado hora, não havíamos marcado lugar. E, na infinita possibilidade de lugares, na infinita possibilidade de tempos, nossos tempos e nossos lugares coincidiram. E deu-se o encontro.”

Rubem Alves





quinta-feira, 28 de setembro de 2017

terça-feira, 26 de setembro de 2017

sobre ele










ele é assim como a chuva mansa que cai amaciando levemente a aridez da sedenta planície.











segunda-feira, 18 de setembro de 2017

sobre esquecer







poderia até abrir mão deste amor, esquecer. 
mas o que me ficaria de todo o tempo em que vivi nele? 
o que seria das margens que definem esta capacidade, há tanto esquecida, de amar, por o ter amado? 
o que seria da memória da pele, desperta, pela palavra? 
o que seria de tudo o que eu poderia ter sido?