terça-feira, 17 de janeiro de 2017

até tu









para ela tudo se tornou possível, quando ele lhe mostrou todas as impossibilidades






domingo, 15 de janeiro de 2017

esvaneces







estava azul, o céu. de seguida alaranjou. depois escureceu. agora enegreceu.
assim eu te tenho em mim.
ciclicamente.









sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

nua









encaracolo-me. 
preencho todos os espaços do meu corpo para que não haja um vazio onde me possas faltar.
as mãos que me tocam as costas, são as minhas.
os joelhos de encontro ao meu peito, são os meus.
só a minha pele está só.









terça-feira, 10 de janeiro de 2017


















frio






as minhas mãos gelam na tua ausência, presente








domingo, 8 de janeiro de 2017

enquanto vais










nunca estiveram tão próximos como no momento em que se afastaram.









sábado, 7 de janeiro de 2017

obrigada








vejo escancarado no retrovisor do carro a inutilidade de querer-te.
com o telemóvel no colo, percorro ruas que conheço por me perder sempre nelas, sempre nas mesmas, sempre às voltas. como na vida. 
recomendas-me um cuidado oco enquanto circundo na rotunda até perceber o caminho a tomar.
chego a casa cansada do mal-estar, do desnorteio, do medo e da inutilidade de tudo isso, de tudo.