terça-feira, 31 de maio de 2016

azul tu


















azul tu - a cor do céu e do mar.


















segunda-feira, 30 de maio de 2016

ele


















ele diz que nunca está só porque me sente sempre presente.
eu, ausente, trago uma pele colada na minha. invisível.
















domingo, 29 de maio de 2016

tu











união. 
teu corpo no meu corpo. 
tu entras em todos os espaços meus e eu recebo-te, acolho-te, moldo-me em ti e tu em mim sem inicio sem fim. 
todas as tuas saliências nas minhas reentrâncias. 
a tua alma na minha. 
os meus olhos colados nos teus. 
as tuas palavras na minha boca. 
não nos tocamos.
fundimos-nos. 










sexta-feira, 27 de maio de 2016

eu sei



















eu sei que tu conseguirias fazer-me vestir o coração de azul e sair por aí como se a vida fosse este sol todo e este vento manso e este mar salpicado de branco e eu a ficar feliz se tu estivesses feliz e eu a pensar que a vida toda tinha valido a pena por esse momento contigo comigo no teu olhar no teu sorriso na tua vontade de estares vivo comigo contigo.




















quinta-feira, 26 de maio de 2016

Am I asking for the moon?

magia















há palavras mágicas: 'fica', na tua boca.














quarta-feira, 25 de maio de 2016

eu a outra













eu, sou a outra, de mim. 
porque não encontro espaço dentro de mim para ser também eu, saí, para que possa, também eu ser, uma, além de mim, outra. 
é que, sabes, o peito às vezes é tão pequeno e dois olhos não chegam e a pele carrega tanto desejo e a alma transcende o espaço e o tempo e eu quero tanto, mas tanto, que me desdobro, e sou mais uma outra, de mim, que estou aí estando cá, que te sinto tão dentro estando tu, aí, que trago a tua boca na minha mesmo que a tua esteja distante, e tu tão presente nessa lonjura que se ri, de nós.
é que não caibo dentro de mim com a ideia de ti.















tempo















chegas até mim vestido de tanta vida já vivida antes de mim. chegas até mim sem saberes que antes da tua chegada já há tanta vida eu estava aí, contigo.















terça-feira, 24 de maio de 2016

almoço



















escolho com cuidado os ingredientes da minha refeição.
nas tuas rotinas, nos legumes, na fruta, no vinho, encontro os paladares que se passeiam pela tua boca. na minha, sinto a tua. o calor das especiarias, a doçura da fruta, o vinho, ainda fresco que recebo dos teus lábios.
o teu sabor.

















Esta tarde vi llover, vi gente correr y no estabas tú

segunda-feira, 23 de maio de 2016

tu














adivinhas-me.
chegas a mim, manso, com palavras. 
e como um pescador que conserta as redes, desfeitas da pescaria, tu consertas-me, lentamente. 
e eu sei e eu deixo, sem resistência. 
primeiro, falas do dia e do tempo.
depois, despertas-me as curiosidades.
de seguida tocas-me a alma.
e lentamente, tenho-te na pele.
eu, eu nunca ofereço resistência, e deixo-me conduzir nessa dança lenta, que nem tu, nem eu sabemos dançar, a não ser assim, nesta entrega, neste despir, nesta pele que ri, entregue, uma na outra.















vem















encontro-me nua em frente ao espelho. noto a minha pele a envelhecer perante os meus olhos.
chegaste tarde à minha vida. queria ter um corpo jovem para te oferecer, e não tenho.
e o tempo passa e nós adiamos-nos e o corpo atrasa-se.
vem, antes que seja tarde. 
ouve-me.
vem, antes que seja tarde.

gostaria de saber alongar-me em palavras, em metáforas, em poesias. mas não sei.
vem.


















domingo, 22 de maio de 2016

inespacialmente














nesta sala, onde estou só, estamos os dois. preenches espaços em mim, onde não cabe mais ninguém. não estás e estás. quando ele chega, não tem espaço, e eu, de mãos vazias, de tanto te ter.















Give Us A Little Love

sábado, 21 de maio de 2016

tempo


















Pela primeira vez sentiu a urgência do tempo que passa, no seu corpo, naquela vontade, a cada dia a menos, a cada dia a mais.














sexta-feira, 20 de maio de 2016

coincidências













coincidiam em tudo, excepto no espaço e no tempo. até nos quereres eram vadios. viviam desasados, ele da direita, ela da esquerda. em círculos, giravam, até ao dia em que se encontrassem, e completassem.























quinta-feira, 19 de maio de 2016

almoço














almoço com as pernas esticadas para a cadeira em frente a mim, enquanto leio. uma panela borbulha no fogão. mais nada. quando dizes que não vens, para além do silêncio, fica o vazio de não esperar por ti, de não saber de ti.
sabes, o céu ficou azul, os verdes são tantos nas árvores, o mar já deve ter desistido do cinzento, o vento está manso, eu procuro aqui dentro de mim a alegria que existe quando tu estás. não a levaste contigo, não te serviria de nada.

a fórmula é intenção, acção e relaxamento - tu sabes...

















quarta-feira, 18 de maio de 2016

teu












acolhes-me.
o teu colo.
o teu abraço.
o teu ombro.
o teu corpo.
os teus olhos.
os teus olhos.
onde me encontro.










terça-feira, 17 de maio de 2016

o outro


















ele chegou sem me avisar que vinha. 
teve o bom senso de não me perguntar se tive saudades. não tive.
olhámos-nos e percebemos que passámos bem este tempo todo, um sem o outro.
talvez agora possamos construir alguma coisa. 
lado a lado.














linhas















olho as marcas das linhas nos meus braços. 
as cicatrizes deixadas na pele permanecerão.
não desescreverás as palavras que deixaste tracejadas em mim.
abro a porta da varanda para entrar o frio sobre o meu corpo nu. 
sinto.
















segunda-feira, 16 de maio de 2016

no final do dia


















ao chegar o final do dia, visto-me de pele e acolhes-me no teu corpo, resgatando-me.
com todo o cuidado descolas de mim os pedaços do dia que fizeram com que me perdesse de mim. como quem solta um adesivo que descuidadamente cobriu uma queimadura e leva colado pedaços de carne.
e eu vou regressando a mim, a ti. depois, cobres-me de poemas, como se me envolvesses em pedaços de camisolas de lã, gastas, velhas, macias, destas que sabes que eu gosto. 
pouco a pouco, revivo.
















domingo, 15 de maio de 2016

ele



















ele deixa-me palavras escondidas na pele, e brinca. 
há lugares do meu corpo que só ele conhece, e deixa aí as mais secretas, eu não as consigo ver. esta manhã descobri 'aroma a relva cortada' na nuca. assim, por acaso, quando passava a mão pelos sítios onde ele pousa os beijos, estava lá, 'aroma a relva cortada', o aroma, que as palavras estavam por baixo dos cabelos.
quando me deixa palavras nas pálpebras, também não as vejo. abro os olhos, elas escondem-se, baixo as pálpebras, não as vejo. só quando ele me beija os olhos, é que por vezes, traz uma colada nos seus lábios, e aí sim. hoje trazia. colado na boca, 'mar', e a minha boca na dele bebeu a palavra, e o mar, sem que ele notasse. 
dentro do corpo deixa-me malicias e vazios que esperam por ele, e nos lugares em que se aninha em mim, deixa-me vontades. 
ele sabe usar bem todas as palavras das vontades e malicias. e fala-me do mar e do rio e da foz e como se juntam as águas e amainam a ondulação naquele encontro final. fala-me das marés e dos barcos e de como eles abrem caminho pelas correntes e trazem os cascos molhados ao chegar aos portos, do vento e das vestes e dos panos e dos cheiros e dos sabores e da terra e das sementes e das árvores que não resistem ao desejo de serem folhas também, e todas as palavras dele são corpo e desejo que eu desejo.
depois, quando deixa o corpo dele falar, e o coração dele encontra o bater do meu, e quando como o rio e o mar se encontram na foz e são água e sal numa só corrente. repousamos sem saber onde começamos ou acabamos, um e outro, e ele lê para mim.
há dias que parte e não volta. há dias que quero ser só. há dias em que coincidimos. há dias em que comungamos-nos.





















sábado, 14 de maio de 2016

eu

















o dia começa a cair e a gaivota, sozinha, na cruz do topo da capela, assiste ao sol poente. quieta, impávida. assim que o sol desaparece, levanta voo.









rendido
















vale a pena acordar para ver-te rendido, adormecido, confiante, nu, nos meus braços.


















sexta-feira, 13 de maio de 2016

espesso















há momentos que deixam uma tristeza espessa dentro do peito. é assim como se esse sentimento formasse corpo dentro do nosso corpo e crescesse. então esse outro corpo dentro de nós vai tomando a forma dos nossos braços e pernas e sobe também pelas costas, pelo pescoço, até à cabeça. e tudo dói de uma dor de náusea, e o corpo verga. e eu, sentada nesta cadeira, sinto que o meu peito quer encostar-se nas minhas pernas, talvez numa tentativa de pedir colo a elas, mas fica só uma dor na curva a que obriga o corpo quase tombar sobre si mesmo.

e o que entra assim, corpo dentro é desilusão. é tempo dedicado em vão, é como se colocássemos todo o cuidado numa prenda que seria rejeitada, depois. só que essa dedicação é sangue, é carne, é suor, é vida.

e são tristezas que nos apanham assim desprevenidos. até está um dia de sol, bonito, e estamos alegre, e, de repente, vem uma palavra, um olhar distante. e basta. fica o corpo todo apanhadinho por dentro, por aquela coisa, e então dá uma vontade de sair por aí fora sem destino, e voltar, se voltar for destino.

são tristezas de sangue. do nosso. as que mais doem. quais amores, quais desamores, quais saudades, quais faltas, quais distâncias. são os olhares do nosso sangue, os que mais entristecem. ou não.

e eu, como de costume, fico sentada a tentar perceber o que tenho aqui para aprender. e nunca aprendo.













entendimento


















um dia, não precisaremos de palavras para nos entendermos.
















quarta-feira, 11 de maio de 2016

estamos juntos há tantas vidas



















aguardo o final do dia todos os dias para que tu me acolhas no teu abraço.
regresso a mim em ti.
trazes poemas nas pontas dos dedos e salpicas o meu corpo todo com versos.
depois, feito também menino criança, aceitas o meu corpo onde fazes ninho e confias-te, em mim.
estamos juntos há tantas vidas que se eu não fosse gente, seria ave, e encheria as tuas noites insones de cantos. reconhecer-me-ias. abrigar-me-ias.
















terça-feira, 10 de maio de 2016

tu













anoitece. é o crepúsculo, nem é dia nem é noite.
tenho as portas da sala abertas para que entre a nortada fria que está lá fora.
e entra.
nunca entendi o vento. sinto-o e não o vejo.
dele, só ficam as marcas. nos cabelos, na pele, na areia que ele alisa quando passa.


















segunda-feira, 9 de maio de 2016

básica















vejo-te daqui. rodeado de mulheres mais jovens, mais belas e mais cultas do que eu. pergunto-me porque raio eu. não me sai da cabeça, porquê eu? se eu. 

o que faz com que duas pessoas se liguem, no meio de outras milhares, ou centenas. seja centenas. porquê ele e eu? e não outro e outra.















the corner of the words we didn't finish


































domingo, 8 de maio de 2016

o pijama dele















ao domingo não tiro o pijama. o dele. é assim como se o tivesse a ele também na minha pele, o cheiro do seu corpo, o cabelo desgrenhado, a forma como acolhe os meus pés nos seus, os braços à minha volta, e aquela mania de me acordar, recitando poemas ao ouvido, que ele mesmo inventa, e que me inventa.
então, não o dispo o dia todo. mas disfarço. com um blusão largo por cima, saio para a rua, e toda eu sou ainda ele também. 
saio de casa, sigo os percursos dele, tomo café na pastelaria do costume, vou ao supermercado habitual, cedo a passagem, na caixa, a um homem que traz apenas um saco de pão, e agradece, recusando. pergunta-me se quero ajuda com as minhas compras, sorrindo. percebo que sorri porque quando me inclino, ele repara na minha pele, mal coberta pelo pijama dele, que o fecho do casaco, descuidadamente deixa entrever.
subo o fecho, saio, e trago-o comigo, tão perto, tão dentro. é domingo.